INFORMATIVO

Sobre a Madeira Serrada de Eucalipto
A qualidade da madeira serrada de eucalipto é um ponto básico para obter-se uma boa rentabilidade e depende das técnicas adotadas na formação da floresta até o desdobro e fases subseqüentes. Rotações longas de plantações de eucalipto proporcionam maiores diâmetros das toras, beneficiando a qualidade e acarretando maiores rendimentos no desdobro, além de maior estabilidade da madeira, devido à maior quantidade de cerne. A madeira de rotações mais longas possibilita, ainda, a obtenção de produtos de maior valor agregado, devido à maior proporção de madeira limpa, de qualidade superior. Toras de grandes diâmetros e rápido crescimento não necessariamente geram madeira de boa qualidade. Há a demanda de mais conhecimento e técnicas para seu processamento e secagem, assim como do cuidadoso controle de todas estas etapas para assegurar um produto de qualidade adequada.

Quando a matéria-prima provém de plantios homogêneos e é destinada à serraria, elimina-se a necessidade de classificação da madeira no pátio. As pequenas variações em diâmetro e comprimento dispensam ajustes nos equipamentos, reduzindo-se a necessidade de um tratamento particular para pequenos grupos de toras. Tal situação constitui um diferencial que se transforma em vantagem ao se trabalhar com madeira reflorestada.

O sistema de desdobro que utiliza madeira de eucalipto no Brasil, notadamente as de maior porte, utiliza, em sua grande maioria, serras de fita para o esquadrejamento das toras; em seguida, utilizam-se serras circulares múltiplas para a geração de tábuas. As regulagens destas serras circulares variam de acordo com as dimensões das peças que se pretende produzir e a quantidade de tábuas dependerá do número de serras circulares que compõem a multilâmina, da espessura e do diâmetro do bloco desdobrado.